Violência no futebol
   Flávio  Saraiva  │     11 de maio de 2016   │     16:23  │  0

Gazetaweb

Gazetaweb

Está publicada neste portal de notícias nota da diretoria do Clube de Regatas Brasil (CRB) sobre as declarações do Tenente-Coronel da Polícia Militar de Alagoas Thulio Roberto, comandante do policiamento da Capital, que teria apontado a comemoração do gol que decidiu o bicampeonato como uma das causas para a invasão do campo por componentes das torcidas organizadas rivais, proporcionando espetáculo de horrores exibido pelo mundo.

Evidente que o comportamento dos jogadores em campo não é causa exclusiva para a ocorrência de atos violentos entre torcedores, mas significa importante gatilho, em razão de funcionarem como verdadeiros líderes de massas nos repetidos chamamentos de apoio em momentos decisivos no transcorrer dos jogos. Assim, acredito que as declarações do conceituado militar tenham o objetivo de alertar sobre o importante papel dos principais artistas na condução do espetáculo.

Considero importante a discussão sobre o papel deles na condução e comportamento dos torcedores durante os espetáculos, onde os atos amistosos terminam no cumprimento protocolar e aperto de mãos, aí incluídos os árbitros, destinatários prioritários das investidas  no mínimo deselegantes. A cada apito uma reclamação que ecoa nas arquibancadas; se ocorre uma entrada faltosa, o jogador faz rolamentos contínuos como se estivesse vitimado com uma fratura exposta; procuram sangue e inchaço inexistentes no corpo, passando a falsa impressão para o torcedor que absorve, mais das vezes, a fingida dor. Se a falta ocorrer na grande área, a encenação é mais dramatizada, provocando correria da assistência médica do clube, que em breve será seguida da entrada da viatura médica de resgate.

Os jogadores de futebol são ídolos e influenciam pessoas, como eles próprios são influenciados por seus colegas de maior projeção na mídia, compartilhando comportamento, vestuário e tudo mais. Jogadores de futebol poderiam ensinar com suas atitudes que uma disputa apaixonada e acirrada não deveria ultrapassar os limites dos campos, nem mesmo ser maculada por gestos desrespeitosos e violentos. Eles não podem ser considerados os únicos responsáveis pela onda de violência que invade os estádios de futebol, mas podem influenciar para mudar o quadro.

Tags:, ,

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *