Terrorismo, segurança e constrangimento
   Flávio  Saraiva  │     18 de novembro de 2015   │     8:37  │  1

TERRORISMO, SEGURANÇA E CONSTRANGIMENTO

Após os ataques terroristas na sexta-feira 13/11 em Paris, matando mais de 120 pessoas e ferindo outras centenas, o presidente francês François Hollande, com apoio declarado de outras grandes potências, declarou guerra ao Estado Islâmico, autoproclamado califado situado em áreas conquistadas no Oriente Médio.

Identificados os primeiros suspeitos, percebe-se que alguns já estavam sendo investigados como potenciais terroristas, mas, como prendê-los, interrogá-los e obter informações mais precisas sobre suas atividades sem riscos de violações aos direitos humanos?

Vou compartilhar com vocês alguns momentos em que fui abordado em países vitimados com atos terroristas. O primeiro ocorreu no ano de 1995, quando tentava ingressar no World Trade Center em Nova York, ainda jovem com 35 anos de idade, barba grande, feições árabes e portando uma bolsa na qual carregava uma câmera filmadora. Mesmo com dificuldades para dialogar em inglês, percebi claramente que estava sendo tratado como suspeito em razão do perfil. Depois de muito tempo e quase total desmontagem da filmadora, fui liberado para ingressar nas torres gêmeas, derrubadas nos ataques de 09/11/2001. Logo depois entendi a preocupação dos profissionais de segurança; em 1993, dois anos antes, ocorrera o primeiro ataque terrorista no WTC. Então, cabível o constrangimento para se obter a segurança.

No aeroporto de Houston/Texas, submetido a varredura eletrônica e cães buscando resíduos de explosivos  e drogas, mais recentemente, scanner do corpo todo. Na Espanha, no aeroporto de Barajas em Madri, a abordagem ocorrera de forma deselegante, policiais beirando a truculência abriram bolsas e descartaram qualquer depósito de substância assemelhada a explosivo, mesmo as inofensivas e santificadas águas e areias do Rio Jordão, que já teriam sido revistadas no aeroporto de Ben Gurion em Tel Aviv/Israel. Não tem conversa, o que é suspeito não embarca, não querem perder tempo com análises mais profundas.

Negligências com normas de segurança são muito bem aproveitadas pelos terroristas,  como ocorrera no Egito, possibilitando o embarque  de uma bomba que explodiu a bordo de avião russo sobre o Sinai em 31/10.

Essa paranoia com a segurança é transmitida aos  policiais estrangeiros que vão realizar treinamento nesses países, inicialmente chocados com a agressividade nas abordagens e cuidados maximizados com expressões corporais de suspeitos – que não abrem portas de veículos, não movimentam zíper de casacos, não afrouxam cintos, é mão na cabeça e obediência aos comandos das forças de segurança. A desobediência é reprimida com rigor, depois se apura possível constrangimento, é o cuidado com a segurança de muitos ameaçada por poucos.

A narrativa faz lembrar do brasileiro Jean Charles, morto com sete tiros na cabeça em julho de 2005 ao sair da estação de Stockwell em Londres, quando foi confundido pela Scotland Yard com um suspeito terrorista, carregando mochila nas costas e vestindo casaco.

São as consequências dos atos terroristas, espalhar o terror pelo mundo, mutilando a inocência e a liberdade de todos.

Tags:, , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Roberto Theodosio Brandão

    Estamos em estado de guerra. Os mesmos procedimentos policiais em Israel, USA, França,etc são usados por todo mundo. Estamos em guerra contra o terrorismo internacional e este é implacável com os países ocidentais. A policia de Alagoas deve se cuidar mais e ser mais dura pois as surpresas virão sem nenhuma dúvida por aqui tambem. O nosso aeroporto “aberto” totalmente e despoliciado é um convite tntador. Precisamos acordar. Nenhum lugar está a salvo.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *