15 milhões de armas nas mãos de brasileiros
   Flávio  Saraiva  │     7 de novembro de 2015   │     7:31  │  1

15 MILHÕES DE ARMAS

Os dados do Mapa da Violência, resultantes de estudos com o apoio da UNESCO, indicam a existência de cerca de 15 milhões de armas nas mãos dos brasileiros, sendo oito milhões não registradas e quase metade destas estariam nas mãos de bandidos.

Projeto de lei em tramitação na Câmara revoga o Estatuto do Desarmamento e prevê a descentralização no controle sobre as armas, que passa a ser feito também pelas policias civis dos estados; medida acertada, que tem a concordância do delegado da Polícia Federal Daniel Sampaio: “O que eu entendo é que, quanto maior o número de registro legal realizado, quanto maior o número, a quantidade de pessoas que tem a sua arma registrada, o Estado ter este controle, melhor será para a população porque, na realidade, o que atrapalha no país é a impunidade.”

Wladimir Reale, vice-presidente da Associação dos Delegados de Polícia, pensa da mesma forma, garantindo que os estados têm condições de cumprir critérios rígidos para registrar armas de fogo, usando moderna tecnologia e alimentando o Sistema Nacional de Armas – SINARM.

O projeto que revoga o Estatuto vai facilitar, também, o registro das oito milhões de armas ilegais, bastando aos proprietários a declaração da origem da posse e consequente responsabilidade.

Luciana Loureiro, procuradora da República, analisa de forma diferente: “Parece que o risco de se esquentar essas armas clandestinas a partir da mera declaração do cidadão, e presumindo de boa fé, talvez não seja muito interessante para um controle mais eficaz da circulação das armas.”

Daniel Cerqueira, do IPEA, aponta outro efeito negativo da legalização das armas: “Uma maior disponibilidade de armas de fogo na sociedade faz com que mais armas migrem para o mercado ilegal. Isso acontecendo faz com que o preço da arma no mercado ilegal baixe, tornando a arma acessível ao bandido mais desorganizado, que é aquele bandido mais perigoso, que vai assaltar e cometer o latrocínio.”

Álvaro Fajardo, ex-secretário de Assuntos Estratégicos do Espírito Santo, afirma que o estado apreendeu 15 mil armas entre 2010 e 2014, sendo 80% delas registradas, fato que culminara com a redução de 25% no número de homicídios. Disse mais: “Não tenho dúvida: essas armas que nós apreendemos no Espírito Santo são armas que foram legalmente comercializadas no Brasil na década de 80, na década de 90.”

Estando corretos os números apresentados por Álvaro Fajardo, o Espírito Santo é um caso raro de sucesso no registro de armas de fogo – 80%, que merece ser estudado.

No próximo post/bloco trataremos do porte de arma para profissionais de segurança.

Fonte: Câmara dos Deputados.

Tags:, ,

>Link  

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Tony

    Eu acredito que nas mãos da bandidagem existam quatro a cinco vezes mais que a quantidade de armas comercializadas legalmente.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *