SWAT EM ALAGOAS
   Flávio  Saraiva  │     8 de agosto de 2015   │     19:36  │  4

SWATCom alegria, tomei conhecimento através da Gazeta de Alagoas e Gazetaweb que o governador Renan Filho anunciou a integração das guardas municipais de quatro municípios considerados estratégicos no estado à Polícia Militar. Para tanto, acredito que objetivando nivelamento tático operacional e consequente integração, autorizou a vinda de policiais americanos componentes de grupos SWAT para ministrar cursos aos militares e guardas municipais.

SWAT é um acrônimo em inglês para Special Weapons And Tactics, em tradução livre – Armas e Táticas Especiais, nome dado aos grupos de operações especiais das polícias americanas, com emprego nos eventos em que foram esgotados os recursos dos efetivos regulares.

Ótima iniciativa, mas como já foi abordado aqui no blog, questões mais urgentes precisam ser resolvidas, a exemplo da regularização do porte de arma dos guardas municipais, até para melhor aproveitamento das técnicas repassadas pelos operacionais americanos.

Recorro ao passado para tratar da importância do nivelamento tático operacional da tropa integrada a ser treinada. Em 1995, dois policiais americanos integrantes da SWAT de Amarillo/Texas aqui estiveram com o mesmo fim, treinando policiais civis e militares, tendo verificado a necessidade de iniciar com os fundamentos básicos de tiro, em razão da falta de padronização dos procedimentos de segurança e táticas policiais. Meses depois, pudemos constatar essa realidade exposta em reportagem de jornal texano, colada nas paredes de unidade administrativa de um campo de treinamento em Amarillo, com relato desprovido de maldade, noticiando nossas limitações e a grande vontade de aprender. Foi bom, nossa equipe se agarrou na vontade de aprender e conquistou a segunda colocação na competição final do treinamento.

Temos profissionais com capacidade técnica para realizar esse nivelamento tático operacional para os futuros alunos dos instrutores americanos, de forma a ampliar o conteúdo do curso, sem perda de tempo com regras básicas de segurança, ou seja, que se destine a formar multiplicadores. São policiais especializados em operações que envolvem entradas táticas, resgate de reféns, explosivos, controle de distúrbios civis, imobilização tática, combate em baixa luminosidade, negociação, sequestro, direção defensiva, sobrevivência, operações aéreas e muito mais.

A integração iniciada com a formação e padronização de procedimentos gera confiança, afinidade e comprometimento entre os operacionais, elementos essenciais para o trabalho em equipe.

Tags:, , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
4

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Cláudio

    Com essa visão pró ativa, os gestores estão tendo noção concreta que o melhor caminho pra melhorar a Segurança pública é a Prevenção. E assim fazer como a Saúde e a Educação, municipalizar também a Segurança botando em prática cada dia mais a Lei 13,022/14. Sancionada pela presidenta Dilma Rousseff!

    Presidência da República
    Casa Civil
    Subchefia para Assuntos Jurídicos

    LEI Nº 13.022, DE 8 DE AGOSTO DE 2014.

    Dispõe sobre o Estatuto Geral das Guardas Municipais.

    A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

    CAPÍTULO I

    DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

    Art. 1o Esta Lei institui Normas Gerais para as Guardas Municipais, disciplinando o § 8o do art. 144 da Constituição Federal.

    Para ciência de todos os cidadão, Juristas, policiais, Ministério público, OAB e Etc…: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13022.htm

    Reply
  2. AYORYA

    Caso não valorize os policiais e as carreiras de forma isonômica, pode vir a Nasa treinar nossas forças que não vai adiantar e nem melhorar o status da segurança nesse país. O triste é que infelizmente no Brasil essa lógica não existe, partindo do pressuposto que a polícia é formada apenas por uma carreira, esquecendo os demais a boa, velha e conhecida sorte! Nesse sentido vou adiantar uma coisa que acontece nos treinamentos com grupos estrangeiros: “Isso eu não posso fazer porque a lei (no Brasil) não permite!”. É uma situação ridícula saber o que eles têm e o que podem fazer para atuar no país deles se comparado a nós. Logo, o melhor a se fazer por essas terras é, na minha opinião, valorizar quem faz efetivamente polícia e oferecer a esse guerreiro a chance de um dia ter uma carreira menos triste, mas os gestores não percebem isso, chamando a Swat apenas para o coitado ter uma mínima noção do que eles são e o que nós somos. Por isso julgo que as vezes a ignorância é uma benção. Que venha a Swat! Rsrsrsrsrs… Nada vai mudar!

    Reply
  3. Ricardo

    Bom dia Digno Autor,
    Admirador seu que sou e, apaixonado pela área de segurança, só posso concordar com suas colocações, em especial quando afirma que temos policiais capacitados pera proporcionar curso de nivelamento tático operacional entre profissionais envolvidos com de segurança pública; porém, mister se faz, fazer breve comentários.
    Todo tipo de ação que busca fortalecer os trabalhos de combate à criminalidade é apropriado, portanto rever as atribuições das Guardas Municipais, mesmo ciente de que houve deficiência no efetivo emprego de abnegados profissionais é muito benéfico e importante; porém, como o Senhor bem sabe, temos carências que BRADAM por soluções, vejamos:
    I – Afirmam que modificando e ampliando as atribuições das Guardas Municipais vai melhorara a situação da segurança pública, é verdade; porém, como início a introdução desta modificação sem resolver a “desordem” existente nas atribuições das forças policiais. Ora, hoje ”todo mundo esta fazendo tudo”; Delegados de Polícia planejando trabalhos preventivos e ostensivos, Agentes de Polícia realizando blitz e trabalhos ostensivos, Policiais Militares e Polícia Rodoviária Federal investigando e confeccionando representações junto a justiça, perícia, ministério público e peças policiais. É publico e notório que os servidores acima mencionados não se entendem, basta ler e assistir os noticiários que comprovamos essa infeliz realidade.
    II – Como falar em Integração entre Guarda e Polícia, se não há efetiva integração entre as policiais existentes?
    III -Como falar em nivelamento tático operacional entre Guarda e Polícia, sabendo que não há nivelamento tático operacional nem entre equipes da menor unidade policial existente em nossas instituições policiais?
    IV – Vamos piorar; como falar em nivelamento tático operacional se não há padronização nas ações e nos equipamento?
    V – Grupos de Operações Especiais, empregados nos eventos em que foram esgotados os recursos regulares. Brincadeira né, rsrsrsrsrs; como falar neles se os existentes estão sendo utilizados de forma banal, até em “briga de comadre”.
    Me ajuda aí, tão de brincadeira né.

    Reply
  4. BARBOSA

    Acho de Bom tamanho, que o Governador também aumente o Misero Salario dos Guardas, pois caso contrario, isso é uma piada de muito mau gosto.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *