ORGULHO DE SER PRESO
   Flávio  Saraiva  │     19 de junho de 2015   │     19:36  │  0

ORGULHO DE SER PRESOOs alagoanos foram surpreendidos, mais uma vez, com o poder de articulação de presos no sistema penitenciário, comandando ações criminosas que acontecem fora dos muros.

O que aconteceu no dia de 18/06/15, demonstra o poder dos encarcerados, foram três ônibus incendiados e outro depredado em Maceió, a mando de 14 detentos dos presídios da Capital e Agreste, segundo a polícia. Mais três suspeitos foram presos e apresentados em coletiva concedida na Secretaria de Defesa Social e Ressocialização.

Houve também bloqueios de vias públicas em três pontos da Capital – localizados no entorno de áreas dominadas pelo tráfico, coordenados por mulheres e familiares dos presos, com discursos ajustados, protestando por melhores condições no cárcere, reclamando da alimentação, falta de assistência médica e interrupção das visitas. De frente para as câmeras, algumas mulheres preferiram ocultar o rosto, mas, a grande maioria, gritava com orgulho palavras de ordem de apoio aos encarcerados, cercadas de crianças e adolescentes.

As organizações criminosas que comandam os presídios mudaram as táticas de enfrentamento ao Estado, deixaram a queima de colchões e quebra-quebra de instalações, com prejuízos e repercussões no ambiente interno, para aterrorizar o mundo externo com mais crimes, homicídio de policiais e a queima de ônibus urbanos, símbolo do poder do cárcere.

Quando plantonista policial, testemunhei reuniões de familiares e mulheres de presos planejando o cronograma de visitas e o apoio logístico a eles. As mais experientes cuidavam de apresentar as dificuldades e facilidades da missão; o cuidado tem muito sentido e ultrapassa a solidariedade natural no momento difícil, uma vez que parte dos presos contribuem com o orçamento doméstico e os “negócios” não podem parar. O que antes era vergonha, torna-se sobrevivência e poder. É o orgulho de ser preso.

Tags:, , ,

>Link  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *