CARGA EXPLOSIVA
   Flávio  Saraiva  │     18 de março de 2015   │     12:02  │  4

CARGA EXPLOSIVAA Polícia Civil de São Paulo conseguiu encontrar na noite de ontem 17/03, em Guarulhos, a carga de explosivos roubada na sexta-feira 13/03, contendo 14,5 toneladas de dinamite, que eram transportadas em carreta com destino a uma mina de carvão no Estado de Santa Catarina.

No início das investigações fora comprovada a participação do motorista da carreta na ocorrência criminosa, que se apresentara à polícia como vítima e logo depois preso, golpe comum no transporte de cargas. No sábado 14/03 a carreta fora encontrada ainda em São Paulo, com placas trocadas e sem os explosivos, gerando grande preocupação às autoridades da segurança pública.

Desde 01/03, vigora a determinação legal para que o transporte de carga contendo explosivos seja devidamente escoltado por segurança privada, custo adicional aos transportadores, que esperavam cumpri-la apenas quando fosse iniciada a fiscalização e consequente aplicação de multas.

Em países que enfrentam atos de terrorismo, o roubo de 14, 5 toneladas de explosivos demandaria esforço de guerra na identificação dos criminosos e recuperação da carga com alto poder de destruição; é só imaginar uma carreta bomba explodindo em grande concentração urbana. Aqui, os explosivos têm outra destinação, o arrombamento de caixas eletrônicos, crime que se multiplica em todas as regiões.

No domingo 15/03, enquanto os protestos aconteciam na Avenida Paulista, criminosos embarcados em carro forte roubado tentavam entrar em empresa transportadora de valores, simulando cavalo de tróia do crime. Por sorte e destreza de uma funcionária atenta, a polícia fora acionada e conseguira prender os criminosos, depois da troca de tiros e longa negociação,  mas sem baixas em nenhum dos lados.

Cheguei a imaginar que as duas ocorrências poderiam ter alguma relação pelo arrojo e ousadia, bastava vincular o volume de explosivo roubado e a área da caixa forte da empresa a ser roubada. Felizmente, estava errado, não passou de abstração formulada por um policial ainda obrigado a pensar no mal maior que o criminoso pode praticar.

Finalizando, 14 toneladas da carga explosiva roubada foram recuperadas, mas os criminosos conseguiram levar 500 kg, o suficiente para explodir dezenas de caixas eletrônicos. É só aguardar.

Tags:, ,

>Link  

COMENTÁRIOS
4

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Roberto Theodosio Brandão

    A situação geral está tão conturbada que a Polícia agora deve procurar primeiro os donos da carga e as pessoas que a transportam, ou sejam, motoristas, gerentes e outros encarregados. O crime agora tem ajuda de dentro para dar 100% certo. Os tempos mudam e as maneira de roubar tambem. Como não existe crime perfeito as coisas erradas sempre aparecerão.

    Reply
  2. Zu Guimarães

    Está mesmo proibido o uso do dispositivo que mancha as cédulas em caso de explosão dos caixas eletrônicos? Não sou expert, mas acho, esta, uma boa solução.

    Reply
  3. Patriota

    Muito bem colocado meu Chefe.
    Excelente Texto, e a nossa experiencia da labuta nós mostra que aproximadamente 2Kg abre-se um caixa eletrônico. Agora é só fazer os cálculos.

    Reply
  4. Paulo Manoel

    Vergonhosamente, o histórico do Brasil em explosão de cxs eletrônicos, não tem sido motivo para que as autoridades estabeleçam critérios e controles mais rígidos. Enquanto isto, vítimas pelo país afora, tem se multiplicado aos montes. Quiçá que reajam a tempo de impedir que não se acabem os últimos cxs eletrônicos.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *