A POLÍCIA QUE MATA, MORRE E REDUZ HOMICÍDIOS
   Flávio  Saraiva  │     19 de fevereiro de 2015   │     8:55  │  4

POLÍCIA QUE MATA, MORRE E REDUZAs estatísticas da Secretaria de Segurança de São Paulo apontam para uma queda de 4,5% no número de homicídios no Estado em 2014, alcançando a taxa de 10,06 por cada grupo de 100 mil habitantes. A Capital teve queda de 4,6%, conseguindo registrar a importante marca de 9,83 casos de homicídios por cada grupo de 100 mil habitantes.

Em contrapartida, segundo o portal de notícias PONTE, tendo como base os dados da Inteligência da corporação, a letalidade dos policiais militares de São Paulo é a mais alta dos últimos dez anos. São 816 pessoas mortas por PMs no Estado no período de janeiro a novembro de 2014, o que representa, em média, uma morte a cada 9,8 horas. No mesmo espaço de tempo, 69 policiais militares foram assassinados: 13 em serviço e 56 fora do expediente, em média um PM morto a cada cinco dias.

A mesma queda não se verifica nos números dos crimes contra o patrimônio – roubos, furtos, roubos e furtos de veículos e latrocínios, com aumento nos registros das ocorrências. Conversei com a gestora responsável pela área de estatística policial, que atribuíra o acréscimo à facilidade que as vítimas encontraram para registrar as ocorrências através da internet, principalmente de pequenos furtos e roubos, fato que poderá ser melhor analisado com os números deste ano.

Os dados estatísticos não autorizam a conclusão precipitada de que a polícia que mata mais reduz homicídios, mas exigem estudos aprofundados sobre o incoerente fenômeno. Por enquanto, apenas opiniões de estudiosos que apresentam argumentações generalizadas sobre o fato, como a obviedade de que a truculência não reduz em nada a criminalidade,  alertando ao cidadão do engano que comete ao acreditar que a polícia que mata mais é a mais eficiente. Recomendam que todo policial no Brasil precisa ter armas de bala de borracha, spray com gás pimenta, pistolas de choque e saber como utilizar esses tipos de equipamentos não letais, sendo o uso de arma de fogo recurso extremo.

Os especialistas, no entanto, não formulam nenhuma consideração sobre o crescimento no número de policiais assassinados, só afirmam que truculência gera truculência, significando dizer que se mata mais morre mais, apenas isso. Asseguram que a polícia mata de forma seletiva, quase sempre jovens, pobres e negros, sem apresentar números estatísticos sobre o percentual deles no total da população e da participação nos crimes, desconsiderando que milhões deles não estudam e nem trabalham, sendo recrutados cada vez mais precocemente pelo crime, principalmente por narcotraficantes que disponibilizam armamento pesado e letal.

As políticas de segurança pública bem sucedidas no mundo indicam o caminho inverso, que não é de mão única, o da proximidade das relações entre polícia e comunidades, estabelecendo laços de confiança para a implantação de medidas preventivas e soluções de crimes, envolvendo outros segmentos da estrutura administrativa do Estado.

O secretário de segurança pública de São Paulo, Alexandre de Moraes, afirmou que pretende combater a alta nos índices da letalidade policial no Estado com mais planejamento e inteligência, diminuindo os embates, até porque neles também morrem policiais.

Tags:, ,

>Link  

COMENTÁRIOS
4

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. ValeyMe

    Só se fala da “truculência” da polícia.E da ousadia dos marginais?Ninguém tá vendo? Toda ação provoca, sim, uma reação.Se recebeu a polícia à bala, tem que ser tratado com a mesma “ternura”.

    Reply
  2. Givaldo

    Se a sociedade autorizar a polícia prender, julgar e aplicar a pena em quem comete i´licitos, devemos de emediato estancar os gastos com a defessoria pública, com o ministério público e com o sistema judiciário. Corram que a polícia vem aí…

    Reply
  3. Josuel oliveira dos Santos

    A polícia de todo o Brasil é truculenta, isto não é privilegio só de Alagoas. Estes agentes públicos que “têm o rei na barriga” deveriam por em prática o artigo 5º da nossa atual Constituição. Já seria o primeiro passo para se tornar uma polícia digna da confiança do povo.

    Reply
  4. homem de bem disse

    se não quer morrer?é só não ser marginal meu amigo!!!eu tenho certeza,que desses 816,600 eram bandidos 100 morreram de balas perdidas, que ninguém sabe de qual lado veio da policia ou do bandido e 16 pode ter sido gente inocente morto no lugar de traficantes ou está passando na hora errada.eu tenho 60 anos e até hoje nunca fui nem revistado pela policia.’se quiser ser igual a mim?faça quem nem eu faço”!! ande da sua casa pra o seu trabalho e do seu trabalho pra sua casa.eu tenho certeza que vai viver 100 anos.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *