FORÇA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO
   Flávio  Saraiva  │     17 de janeiro de 2015   │     15:08  │  5

FORÇA NACIONALMuito boa a entrevista do secretário de defesa social, promotor Alfredo Gaspar, concedida à Gazeta de Alagoas de 13/01, pontuando objetivos importantes a serem alcançados em sua gestão, principalmente, a redução de homicídios em 12% já neste ano, cuja continuidade determinará que Alagoas se desvincule da incômoda adjetivação de estado mais violento do país.

Garantindo ser possuidor da grande virtude de saber ouvir o que há de melhor, acrescentou que irá construir pontes entre as forças policiais, querendo dizer que todos estarão à mesa discutindo os problemas e abstraindo as melhores soluções.

Quando questionado sobre a portaria que transferiu as investigações de homicídios ocorridos em Maceió para os delegados da Força Nacional, respondera que não está na pasta para administrar vaidades de “a”, “b” ou “c” e que a medida teria sido bem aceita pelo delegado geral e pelo presidente da associação dos delegados. Acrescentando que não haveria motivos para posicionamentos contrários, vez que a competência delegada atingiria cerca de 12 a 15 homicídios, representando 1% do total.

Com o devido respeito e pretendendo apenas ser assertivo, Maceió registra cerca de 30% do total dos homicídios ocorridos no Estado; quando somados aos números de Arapiraca e três outros municípios, representam mais de 70% das ocorrências. Só para exemplificar, nos primeiros dez dias de validade da portaria, já são contabilizados 26 homicídios que serão investigados com exclusividade pela Força Nacional, que tem efetivo reduzido, salvo engano, 04 delegados.

Já ouvi muitas interpretações sobre a transferência das investigações para a Força Nacional, a que eu considero publicável é a que indica possível quebra de confiança e desprestígio com relação à polícia civil, hipótese afastada pelo secretário na aludida entrevista.

Seria importante a realização de análise estatística sobre os números da nova demanda e a capacidade operacional dos “nacionais”, bem assim, dos índices qualitativos confrontados com a produção dos “estaduais”. Não vou citar nomes, mas há delegados estaduais que conseguiram a marca de 100% de inquéritos concluídos com autoria na capital alagoana. Para estes, novas pontes de motivação deverão ser construídas para a manutenção do desempenho.

Secretário, é bem possível que essas considerações não mereçam sequer sua atenção, mas, como dito antes, a análise estatística da produção da delegacia de homicídios poderá mostrar o que fazer melhor.

Não sei de quem é a autoria desta frase: “quem não conhece a sua história está condenado a repeti-la”. Não é o seu caso, que conhece a história de secretário de defesa social que se dizia possuidor de bola de cristal e, logo nas primeiras declarações, dividiu a sua tropa ao afirmar que só queria trabalhar com delegados novos; logo ele, um aposentado da polícia federal.

A divisão entre “nacionais” e estaduais pode não ser uma ponte de fortes pilares.

Tags:, , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
5

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Roberto Theodosio Brandão

    Polícia Judiciária operada por militares da Força Nacional?
    Para que serve então a Polícia Civil? A Força Nacional será
    uma POLICIA MILITAR FEDERAL no futuro próximo? Os planos bolivarianos pela América do Sul projetam esta mudança sem qualquer cerimônia. Quem acompanha a evolução político revolucionária dos governos sul americanos percebe facilmente isto.

    Reply
  2. Sandra

    Pois é nobre Delegado! Infelizmente o Delegado Geral Paulo Cerqueira não tem o pulso necessário para se impor diante de tais fatos e isso é conhecido de todos. E que não seja questão de vaidade mas sim de respeitar a polícia civil. Ora, lógico que ao final do estudo dos números, a força nacional terá um elevado índice de apuração! Se pega os inquéritos ‘fresquinhos”… quero ver investigar crimes de 02 anos pra trás….mais uma vez a PC será o patinho feio da conversa e isso credite-se a quem está no comando da propria instituição PC.

    Reply
  3. Almeida

    Acho que chegaram à conclusão de q a PC Alagoana não funciona a contento. Se funcionasse não teríamos esse número alarmante de crimes sem solução. A IMPUNIDADE REINA NA TERRA DOS MARECHAIS! Acho que é isso, Sr. Delegado.

    Reply
  4. Cícero caldas

    Nobre delegado, saiu uma matéria dizendo que a PC tinha revogado a portaria! Kkkkk na verdade revogou sim mas o fez Pq a força nacional disse que não vai pegar esses inquéritos de homicídios nao! Que a PC que o fizesse! Ou seja, virou manteigueiro de hotel: todo mundo mete o dedo!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *