SERVIR, PROTEGER E MORRER
   Flávio  Saraiva  │     9 de dezembro de 2014   │     19:50  │  3

SERVIR, PROTEGER E MORRERCircula nas redes sociais petição pública em que os assinantes solicitam à Câmara dos Deputados mudanças nos textos legais, considerando como hediondos os crimes cometidos contra a vida de servidores da segurança pública, tanto no exercício de suas funções como em razão de suas atividades, ou ainda, contra seus familiares por consequência do grau de parentesco com o servidor.

Nos Estados Unidos, todos os estados têm legislação que pune com mais severidade o chamado cop killer (matador de policial), impedindo a concessão de benefícios no cumprimento da pena. Vejam que as estatísticas americanas (46 policiais assassinados neste ano) são insignificantes quando comparadas com as brasileiras; só no Rio de Janeiro foram mortos 106 policiais, entre eles o Cabo do Exército Brasileiro Michel Mikami, tipo de baixa que não ocorria nas Forças Armadas desde 1972. Em Nova York nenhum policial morto neste ano.

A Revista Veja desta semana traz matéria sobre a matança de policiais, intitulada “Se quiser, mato um por dia”, frase do chefe do tráfico do Complexo da Maré, no Rio de Janeiro, sustentada na facilidade que tem no combate com as forças de segurança, principalmente por estarem bem armados e conhecerem a região.

O Cabo Mikami, foi morto com um tiro de fuzil na cabeça no Complexo da Maré, quando patrulhava compondo força de pacificação formada por militares da Marinha e do Exército; depois de ter recentemente cumprido missão de paz no Haiti.

Conversando com um operacional que patrulhou muito no Rio de Janeiro, ele se lembrou de pichações desafiadoras nas estreitas esquinas das favelas, em que os bandidos informavam dos riscos que os policiais corriam em tomar um tiro na cabeça – “bota a cara, Mané”.

Mesmo nesse cenário de guerra, onde cresce a quantidade de policiais feridos e assassinados, a polícia carioca tem registrado a diminuição no número de mortes de civis em combates, contrariando teóricos que justificam a proporcionalidade dos números, ou seja, afirmando que civis matam mais policiais, porque policiais matam mais civis.

Não acredito que penas mais severas representem limitação da ousadia bandida, como já acontece com os crimes considerados hediondos, bastava apenas que o criminoso fosse tratado como preso, cumprisse a pena na integralidade, sem as regalias que o sistema proporciona – visitas íntimas, drogas e comunicação telefônica que permite a continuidade dos negócios e a execução de policiais.

Diferente dos americanos, o destino do policial brasileiro é SERVIR, PROTEGER E MORRER.

Tags:, , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Roberto Theodosio Brandão

    SERVIR, PROTEGER E VIVER é o modo correto no mínimo racional. Nos Estado Unidos matar um policial é crime de primeiro grau e o acusado nesta categoria não tem direito a nenhum benefício da lei e fica a um passo da cadeira elétrica. Lá a Corte Suprema protege seus policiais (todos). Aqui ficamos a mercê de uma Constituição Federal ridícula feita por pessoas covardes e que pensaram tão somente em dar DIREITOS e não cobrar DEVERES.
    O Brasil é o PARAÍSO DOS BANDIDOS. Temos que aguentar calados e prepararmos para enterrar nossos policiais. O nosso País é uma piada de muito mal gosto. Estando em viagem fora do Brasil não é bom informar que é brasileiro pois somos vistos como povo marginal, desobediente e anti-patriótico.

    Reply
  2. verdade

    um dia que os policias acordarem e ver que o estado,o país,os direitos humanos,OAB,ministério público,justiça e a própria população,não está nem ai pra vida do policial.ai eles[policial] vão se juntar aos traficantes e meter bala na cara desses ai citados a cima,que são os verdadeiros inimigos da policia.

    Reply
  3. Luiz Alfredo

    Meus nobres
    Creio que a vida de trabalhadores sejam eles do meio da segurança pública ou privada,educação ou qualquer cidadão brasileiro, fosse respeitada conforme preconiza a Constituição Federal, principalmente pelos governantes brasileiros,porém a Presidente da República tem concentrado esforços em resolver os anseios desse povo sofrido e refém da bandidagem.Caso vocês não saibam ela aprovou uma lei muito importante: LEI Nº 13.050, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2014.
    Lei que institui o dia do macarrão,mesmo com 56 mil brasileiros assassinados só no ano de 2013(segundo g1.globo.com),sem mencionar o número de pessoas que morreram pela falta de investimentos em saúde e até mesmo de fome no Brasil REAL e não o Brasil dos otimistas ptralhas exibido na campanha eleitoral deste ano,espero um dia acordar deste pesadelo e poder compreender onde anda o bom senso e sanidade mental do povo brasileiro.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *