FAIXA DE GAZA
   Flávio  Saraiva  │     14 de agosto de 2014   │     20:38  │  2

FAIXA DE GAZANas últimas semanas acompanhamos o desenrolar da guerra travada entre israelenses e palestinos do Hamas, em pequena área de 360 quilômetros quadrados, conhecida como Faixa de Gaza. Ali, os combates e os outros atos de extremistas radicais são tão assustadores, e não é de agora, que a denominação passou a ser sinônimo de áreas de violência.

Aqui em Maceió, temos a Faixa de Gaza na orla da Praia de Ponta Verde, onde a turma mais jovem se reúne para paquera e outros combates mais íntimos, armados com boa bebida e estratégia de conquistadores. Uma exceção no emprego da denominação.

Alagoas tem muitas áreas que merecem a denominação em sua primária acepção, com frequentes combates entre polícia x criminosos, traficantes x traficantes, cobradores matadores x devedores, criminosos x cidadãos; estes últimos ocorrem de forma unilateral, onde apenas criminosos  estão armados.

Como em toda guerra, cenas de mortos e feridos chocam a todos, tendo mais destaque as baixas do lado criminoso em combate com a polícia, tratadas como chacina e logo questionada por entidades protetoras de direitos humanos.

Na Faixa de Gaza do Oriente médio, as cenas frequentes são de extremistas do Hamas carregando crianças mortas e feridas pelas ruas, improvisando macas em repetido ritual de protesto. Os israelenses vitimados não são mostrados pela mídia, sugerindo, segundo J.R Guzzo – articulista da revista Veja, que há equivocada interpretação de que Israel age de forma desproporcional na guerra, praticando genocídio. Acrescentando ainda, que quem chamou para a guerra foi o Hamas, disparando foguetes em direção a Israel. Mas, isso é discussão histórica de muitas variáveis, apresentadas no interessante livro Filho do Hamas, do ex-militante Mosab Hassan Yousef, Editora Sextante.

Na guerra urbana entre policiais e criminosos aqui na Terra dos Marechais, em recente combate entre policiais militares e três suspeitos de terem assassinado um Sargento para roubar sua arma, resultou na morte dos últimos, que portavam três revólveres do calibre 38. Diariamente, esses mesmos policiais prendem criminosos armados e são apresentados vivos  sem lesões de interesse médico legal, mesmo depois de atirarem nos servidores públicos e deixarem marcas da ousadia nas viaturas. Mas o que se enxerga, ou que se quer ver, é a possível “chacina” e se estranha o resultado, exige-se proporcionalidade. Talvez queiram igualdade numérica, mesmas armas, munições e treinamento, ou mesmo duelos entre duplas previamente definidas.

Os policiais alagoanos são chamados todos os dias para uma guerra que não sabem quando e onde irão enfrentar assaltantes de banco, sequestradores, traficantes, homicidas, ou até mesmo três meninos que brincavam de roubar e matar policial.

Tags:, , , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Roberto Theodosio Brandão

    Interessante o seu comentário sobre a Faixa de Gaza. Existem muitas “faixas de Gaza” no mundo em que vivemos e nossa terra não poderia ficar ausente neste tema.
    A nossa Ponta Verde e outros locais possuem suas particularidades e seus problemas sociais e humanos.
    Sobre Israel: Usam força desproporcional aos membros do Hamas e a população civil gerando agora um GENOCÍDIO aos moldes de Hitler que foi o executor de 6 milhões de judeus na II Guerra Mundial. Criticaram Hitler e hoje fazem pior que ele e o mundo está aceitando tudo calado.
    Polícia Alagoana: Esta sim todo dia vai ao serviço sabendo que poderão serem EXECUTADOS a qualquer momento por marginais maiores de idade e muito pior se tratando de menores muito mais letais que os adultos. Agora estão disparando contra os policiais e suas viaturas pedindo naturalmente uma reação adequada. É esta a nossa guerra oficiosa pois lá na Faixa de Gaza é oficial e aqui no Brasil se mata mais que no Oriente Médio. Não vai melhorar.

    Reply
  2. direitos humanos pra pessoas do bem

    quem tem poder de acabar com os direitos dos manos[D.H]que só beneficia bandido?o povo do bem!se não acabam,por quer está gostando.então tome violência e mais violência!e os protetores dos bandidos’direitos humanos’ficam só no aguardo pra defender os mesmos.olhe e comparem a 20 anos atras,quando não havia esse tal dos direitos dos manos,se a violência era do jeito que é hoje? porra!o bandido sabe que tem um pai na terra’direitos dos manos’que vai defende-lo com umas e dentes,mesmo o bandido tendo cometido o pior dos crimes,tirando todo poder da policia e dando ao criminoso.na verdade os direitos humanos quer passar uma imagem distorcida pra sociedade ,que os bandidos são’vitimas’e a policia é que é a vilã da historia.aonde na realidade os bandidos estão mais armados que a policia mais organizados que a policia,mais bem estruturados que a policia,vivem financeiramente bem melhor que a policia e estão em todos os meios seja na politica ou em outras instituições.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *