REFLEXOS DA TRAGÉDIA
   Flávio  Saraiva  │     11 de março de 2014   │     19:48  │  8

TRAGÉDIA NA PROVÍNCIA

O crime de homicídio que vitimara Guilherme Brandão na manhã de 26/02/14, morto com 01 tiro na cabeça, fato acontecido na Choparia e Show Bar Maikai, repercutiu de forma imediata, pautando a mídia e as autoridades policiais, estas já pressionadas pela versão de que Guilherme teria sido vítima de latrocínio, por ter reagido à ação criminosa.

Ainda naquele dia, o gerente financeiro do Maikai Marcelo Carnaúba documentava a sua primeira versão para o fato criminoso: 02 assaltantes entraram na casa de shows, anunciaram o assalto, pegaram o dinheiro que tinha no cofre e, já na saída, foram surpreendidos com a reação de Guilherme e um deles reagira disparando o tiro fatal na cabeça do empresário. A família, parentes e amigos do gerente agradeceram à possível providência divina que o poupara da tragédia.

O ritmo das investigações era alucinante, com o empenho pessoal do Delegado Geral da Polícia Civil Carlos Reis, do Promotor de Justiça Alfredo Gaspar e de muitos profissionais motivados pelo sentimento de indignação. Assim, foram documentadas as declarações e testemunhos, como também, a confecção de retratos falados dos supostos assaltantes. Com a divulgação dos retratos falados o ritmo fora acelerado ainda mais, culminando com detenções de suspeitos e ampliação de suspeições, fato que determinara o risco de prática de injustiça.

No pequeno Estado de Alagoas, um crime de latrocínio com grande repercussão pauta também os informantes e motivam as denúncias anônimas, mas nenhuma informação merecera dos investigadores a credibilidade necessária à elucidação do crime, fato que causara estranheza.

Voltando à cena do crime, conferindo testemunhos, resultados preliminares dos exames periciais, os investigadores chegaram à conclusão de que não havia outra pessoa no local além de Marcelo Carnaúba e Guilherme Brandão. Imaginar que Marcelo seria o autor do tiro que matou Guilherme seria possibilidade só vista por investigadores frios, tentando fabricar criminoso e injustiça. Mas, infelizmente, fora isto o que acontecera, Marcelo matou Guilherme, fato comprovado com a confissão do autor em Juízo. Revelação robustecida com a apresentação da arma utilizada no crime, roubada de um vigilante em 14/01/14, com 5 munições intactas e estojo da deflagrada, encontrada ainda dentro do Maikai.

As investigações policiais concluíram que Marcelo Carnaúba cometera homicídio qualificado pela forma traiçoeira que impedira qualquer reação da vítima, pelo motivo fútil e para assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem do desvio de dinheiro que praticava na empresa que gerenciava.

Para a família enlutada o conforto, se é que pode existir em situação desse tipo, com a autoria do crime definida, sentimento que fora ofuscado pela surpresa da traição. À família do autor, uma surpresa inimaginável de difícil administração. Aos parentes e aderentes que, na pequena Maceió, vão aumentando as famílias com nascimentos, casamentos e outros laços de união e amizade, diferentes formas de sentimentos e reações que geram conflitos e ampliam a tragédia.

Tags:,

>Link  

COMENTÁRIOS
8

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. FABIO

    Lamentável é perceber que a Polícia Civil está falida pois não esclarece nem 6 ./. dos homicídios ocorridos em Alagoas, o que é uma tragédia. 8 oito homicidios ocorrem diariamente em Alagoas e a PC não esclarece nada, agora quando um filho da elite branca é atingido, um esquadrão de agentes de polícia é colocado para esclarecer com rapidez o fato, pois como disse o secretário de defesa social Eduardo Tavares um homicídio em bairro nobre é coisa diferente !!!
    A QUEM ESTA POLÍCIA SERVE ????

    Reply
  2. Rodrigo

    Acompanho seus artigos e vi uma palavra mágica na segurança pública…motivação….o soldado não eh besta! Se aperender o bandido diz amanhã eu to solto,e eh verdade…se usamos a força (dar tapinha)respondemos sindicância, se sair tiro o MP diz que estamos rrados e perdemos a farda….pode colocar um tanque de guerra na maio do soldado se ele não quiser não dispara um tiro….por outro lado pra quem assistiu o filme 300 sabe que poucos bem treinados e motivados vencem muitos….mas quem ta motivado? Soldado não eh besta!

    Reply
  3. fred

    Foi um dos mais tristes na história de Alagoas, e o que mim deixou altamente chocado foi ouvir a declaração do nosso vice-prefeito MARCELO PALMEIRA na radio JOVEM PAN: – o autor crime, MARCELO CARNAÚBA, estava na frente do estabelecimento gritando*FORA TEO, FORA TEO*, e quando o senhor secretario(DR. EDUARDO TAVARES) passou, ele(MARCELO CARNAÚBA), estava no meio daquela multidão gritando *QUEREMOS JUSTIÇA*.O ser humano cada dia mostra sua ganancia, por bens materiais. O que quero aproveitar meu caro Dr.FLAVIO, e engrandecer o trabalho de investigação da nossa POLICIA CIVIL DO ESTADO DE ALAGOAS, e isso mostra que somos profissionais com equilibrio e de personalidade.

    Reply
  4. Roberto Theodosio Brandão

    Os Srs Fábio e Rodrigo tem suas razões sobre o procedimento das polícias, Elas estão de pés e mãos atadas. O crime independentemente se é crime de rico ou de pobre é igual devendo ser apurado até o fim. A Constituição Brasileira não permite que se faça nada em termos de segurança pública. No caso descrito surge o clamor público pois duas famílias conhecidas caem em desgraça. As duas famílias são de pessoas trabalhadoras, honestas e produzem empregos e riqueza para o Estado de Alagoas. Pena que um dos seus membros errou levando o desespero e dor.Alagoas é pequena demais para tanta dor.

    Reply
  5. silva

    O dinheiro, é a pior mazela do mundo, esse empresario foi assasinado por um cidadão ganancioso e invejoso, e pelo o dinheiro se faz tudo, principalmente se mata, a policia fez um bom trabalho, nem mesmo o assasino pensava que aquele crime fosse descoberto em tão pouco tempo, ou horas, se toda aquela estrutura logística da policia civil, fosse utilizada em cada crime que ocorre neste estado, talvez o empresário estivesse vivo pois saberia, que seria preso,
    A familia agora vai ter que esperar por pelo menos vinte anos, para que, o criminoso seja julgado, pois existe mais de 270 mil processos pendente em nossa injustiça.

    Reply
  6. NÃO CONCORDO

    doutor saraiva não concordo com essa de inclusão nas investigações policiais de pessoas ligadas ao MP. acho, que a participação desse povo tira a finalidade de a
    PC que é investigar e chegar aos matadores de qualquer que seja a pessoa. dessa maneira os promotoes aparecem e os delegados, agentes e policias passam a ser um segundo plano. esse povo é prá lá de chato.

    Reply
  7. Policial Militar

    O comentário do “Não concordo”, ao meu ver, é um pouco egoísta, pois qualquer pessoa que possa ajudar a esclarecer qualquer que seja o fato criminoso, deveria ser visto com bons olhos, e não ser criticado por tentar ajudar.

    Reply
  8. Maria

    No dia que a justica encarar que o bem maior que temos e a VIDA!!! As pessoas pepensariam. 2x antes de cometer um asscinato. Deria ter uma lei: que todo assacinato frio., premeditado e caucilusta como este e. Todo latrocinio!! Seguir a prisao perpetua!!!! Com trabalho duro na cadeia e sem regalias!!!
    O problema, que o propio pais naos respeita as leis divina” nao mataras”, perduando assacinos frios e crueis, absorvendo e retornando ao meio social estes individuo!!!porque vcs politicos nao trabalham?????

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *