O CARTÃO DOS CARTÕES
   Flávio  Saraiva  │     7 de janeiro de 2014   │     9:01  │  2

COINA vida moderna impõe o amplo uso de cartões magnéticos para compras, consultas médicas, passagem  em transporte coletivo, transações bancárias, previdência, milhagens em companhias aéreas, acesso a escolas, academias, são tantos que, se portados todos ao mesmo tempo, estufam as carteiras para a alegria de ladrões.

A demanda motivou empresa americana a criar um único cartão para armazenar as informações de muitos – o Coin, dispositivo eletrônico no formato de cartão de crédito que irá conter, inicialmente, as informações de 08 deles.

Como todo dispositivo eletrônico, o Coin  é alimentado por bateria não carregável com previsão de vida útil em torno de 02 anos, tempo de troca do cartão, que irá ao mercado ainda este ano nos Estados Unidos, com preço estimado em torno de U$ 105.

No momento da transação comercial o usuário do Coin seleciona o cartão que irá empregar, em seguida insere ou desliza na máquina receptora do estabelecimento, digita senha e finaliza como qualquer outro cartão de crédito.

O Coin ainda acrescenta outro item de segurança, o aviso no iPhone (não funciona em sistema Android) caso você o esqueça no local que usou.

Os interessados podem obter maiores informações no site da empresa de mesmo nome do cartão www.onlycoin.com.

Enquanto não chega o Coin, além de não recomendar portar carteira estufada com cartões de crédito, aqui vão outras dicas de segurança sugeridas por instituições bancárias:

– Assine o cartão logo que recebê-lo, mantendo-o em local seguro.

– Banco não entra em contato com o cliente solicitando senhas ou outras informações.

– Não existe processo de troca de bônus por dinheiro. Desconfie de ligações que informam a troca ou que solicitem informações da sua senha e outros dados bancários. Em caso de dúvida ligue diretamente para a Central de Atendimento.

– Utilize senhas de difícil dedução, evitando datas de aniversário, placas de carro ou outras combinações previsíveis. Não anote sua senha em papéis. O ideal é memorizá-la.

– Lembre-se de que o cartão é para seu uso pessoal, portanto, não o empreste e não forneça sua senha a ninguém.

– Sempre que puder, faça saques durante o dia e em lugares movimentados.

– Evite que intrusos ou curiosos acompanhem suas transações no caixa eletrônico.

– Ao digitar sua senha, mantenha o corpo bem próximo do teclado para evitar que ela seja vista.

– Esteja alerta à presença de pessoas estranhas nas proximidades do caixa eletrônico.

– Se o cartão ficar retido na máquina, aperte a tecla anula e saia sem pedir ajuda a estranhos. Nesses casos, não aceite a oferta de telefones celulares de desconhecidos para ligar para a operadora do cartão, pois a senha poderá ser descoberta pela memória do aparelho.

– Se o seu cartão cair por algum motivo e alguém se apressar em recolhê-lo, confirme sempre se o cartão devolvido é o seu.

– Ao fazer pagamentos, confira valores e evite perder seu cartão de vista.

– Tenha extrema cautela ao fornecer informações pessoais ou do cartão de crédito pela internet. Em caso de dúvida, ligue para a Central de Atendimento notificando o contato recebido anteriormente.

– Cadastre seu celular para receber mensagens de texto (SMS) sobre movimentações em sua conta.

– Em caso de extravio, roubo, furto ou de suspeita de fraude de seu cartão, informe ao banco imediatamente e registre a ocorrência na delegacia mais próxima. Para evitar problemas, faça uma lista de telefones úteis para esses casos.

– Tem mais, essas ainda não diretamente recomendadas pelos bancos – escrever no verso do cartão, com caneta apropriada, a indicação ao vendedor “PEÇA MEU RG”, ou outro documento; cobrir os dígitos de segurança com fita adesiva.

Tags:, ,

>Link  

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Roberto Theodosio Brandão

    Que bom ter uma pessoa esclarecida para nos dar as “dicas” mais recentes que nos é passada pelos Países dito do primeiro mundo. O “COIN” é muito interessante e acho que em breve chegará no Brasil. Agradeço ao Dr.Flavio Saraiva e quanto mais boas orientações que apareçam serão bem-vindas. Feliz Ano Novo Delegado.

    Reply
  2. LUIZ ALFREDO

    Com certeza o COIN será um alívio no volume que os cartões causam em nossas carteiras, porém o cartão dos cartões são os cartões de crédito corporativos – através dos quais servidores federais podem fazer pagamentos ou saques sem precisar de autorização prévia da União – somaram 59,6 milhões de reais em 2012. O valor é maior do que o registrado no ano anterior, de 58,7 milhões de reais. Os dados integram um levantamento da ONG Contas Abertas divulgado nesta quarta-feira. Em dez anos, o governo federal destinou 476 milhões de reais para pagamento dos cartões, que, por regra, só deveriam ser usados para custear despesas excepcionais ou de pequeno vulto. Desde que os cartões foram criados, em agosto de 2001, o maior gasto com o meio de pagamento se deu em 2010, ultimo ano de mandado do ex-presidente Lula: 80 milhões de reais.
    Como diz o Boris Casoy: ISSO É UMA VERGONHA….

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *