MANUAL DO BANDIDO
   Flávio  Saraiva  │     29 de novembro de 2013   │     7:00  │  6

Manual do Bandido

Manual do Bandido

Com a aproximação das festas de final de ano, muitos especialistas em segurança são pautados pela mídia para apresentarem dicas de segurança para as pessoas que vão às compras, compêndio considerado manual da vítima. As recomendações são tantas, e discutíveis, que desmotivam as pessoas saírem de casa. Pensei se as pessoas consideradas trabalhadoras e honestas ainda são maioria, bem que poderiam sugerir às autoridades a formulação do manual do bandido, com ampla publicação nos presídios, estabelecimentos comerciais, locais públicos e espaços multimídia.

O manual do bandido, assim como o da vítima, teria função preventiva e didática, alertando aos foras da lei sobre os riscos das atividades marginais que implicariam em restrição de liberdade e prejuízos financeiros. Os presos por crime de porte ilegal de arma de fogo só seriam liberados após pagamento, em juízo, de fiança na importância de 100 vezes o valor da arma, se reincidentes, cumprimento total da pena. Para assaltantes, progressão de regime da pena só para os desavisados de primeira viagem; aos teimosos, cumprimento da pena em regime fechado, vez que o Estado reconheceria a falha na tentativa de recuperá-los na primeira estada carcerária.

Mas nem tudo seria tão ruim que não pudesse piorar para quem não atendesse as recomendações e fosse preso. Traficantes e outros criminosos usuários de drogas encarcerados passariam por rigoroso processo de desintoxicação, em face da proibição de consumo de fumo, álcool e drogas no presídio. Para colaborar com o processo, mesmo considerando o constrangimento legal, as revistas aos visitantes seriam rigorosas, com foco na busca de substâncias entorpecentes.

O manual também alertaria para a impossibilidade do preso comunicar-se com o mundo exterior através de telefone, assim, conversas, torpedos, whats app para gestão de negócios criminosos e relacionamentos amorosos não mais existiriam, implicando em sérios riscos para o desenvolvimento de quadro depressivo. As visitas para contatos íntimos, concessão não extensiva aos estupradores, seriam agendadas pela direção do cárcere, individualmente e distribuídas em todos os dias da semana, evitando o clima festivo das quintas-feiras e domingos, quando os presídios se transformam em protegidas praças públicas.

Enquanto não houver riscos e mais limitações que desestimulem  criminosos, é recomendável seguir as orientações do manual da vítima.

Tags:, , ,

>Link  

COMENTÁRIOS
6

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. PAULO

    Concordo plenamente com as normas do, quem sabe, futuro manual do bandido, porém com um adendo, que seria a permissão de visita íntima somente para os que já convivessem no mínimo em união estável antes do ingresso na prisão, excetuando as namoradas, que se tornam pombo-correio dos criminosos.

    Reply
  2. Marcos Padilha

    Prezado Dr. Flávio, concordo plenamente com seu texto, no entanto acredito que o manual mais urgente que precisamos é o de Gestão em Segurança Pública, um grande abraço.

    Reply
  3. Roberto Theodosio Brandão

    Também fico com o Manual da Vítima. Por outro lado é bom relembrar que após a Constituição Federal de 1988 elaborada por notáveis e juristas de renome na época e com alguns destes com mágoas do regime militar abriram demais as regalias aos presos sem pensar que os anos ou mesmo décadas vão passar e novas tecnologias iriam aparecer facilitando a vida de todos. Nós cidadãos de uma maneira em geral deveríamos sempre nos manter atentos e em guarda reservando o direito de mediante certo esforço guardar nossa identidade e intimidade. A exposição nos “whats app”, facebook e demais meios de relacionamentos também se transformaram numa perigosa arma apontada sobre nossas cabeças. As organizações criminosas hoje investigam se preparam como nunca para aplicar seus golpes. Ser reservado ao máximo é a regra a ser seguida. A polícia americana iniciou dando grande exemplo na década passado trocando integralmente o seu sistema de telecomunicações analógico pelo atual sistema digital – apco25 – trunking de frequência altíssima indisponível aos bandidos. E mais indisponível ainda o mesmo sistema digital acoplado com a criptografia do sistema TETRAPOL europeia. A polícia brasileira já está seguindo o mesmo sistema graças a Deus. A Polícia alagoana vai ser renovada neste aspecto segundo notícias circuladas na mídia local. A segurança pública está se resguardando e se protegendo e porque você cidadão comum não pode também faze-lo com mudança de hábitos e disciplina. Infelizmente damos muita chance aos bandidos.
    Esperamos que a sociedade compreenda todas estas medidas são para o próprio bem e resguardo de suas famílias. Ser reservado é o melhor remédio nos dias atuais e que se torne hábito nos decorrer dos tempos.

    Reply
  4. Luiz Alfredo

    Prezado Dr Flavio,
    Seu artigo não é de fácil entendimento para pessoas que não conhecem a realidade da injustiça e o sistema penitenciário,pois enquanto continuarem tratando bandidos como meninos traquinos a safadeza da impunidade nos forçará a colocar grades nas portas,janelas e até cinto de castidade em nossas filhas, enquanto a vagabundagem contará com o colo materno do direitos humanos.Chega de tratar o trabalhador de cidadão comum o popular, se não tem outra forma de denomina-lo que tal “ser humano”mesmo que sem os direitos humanos.
    O coitadismo da esquerda caviar e as alegações de tortura da ditadura militar só servem para assustar o eleitor brasileiro e constatar que mesmo sendo o horror descrito pelos que se intitulam perseguidos pelo regime militar, que o sistema prisional militar deixou um legado ao Brasil: Ressocializaram tão bem que formaram dois presidentes da república dentre muitos ministros, senadores,governadores e deputados….sem mencionar as indenizações milionárias a eles pagas.
    Parabéns pelo artigo.

    Reply
  5. Cel Pinheiro

    Caro colega! Parabéns! Se pelo menos a metade dessas medidas fossem adotadas agora, certamente começaria a diminuir a criminalidade. Poderia se adotar a esterilização para os tarados de plantão. Acredito que os pedófilos, os assediadores e os pervertidos pensariam 2 vezes, antes de acabar com a vida das famílias para exercerem seus instintos bestiais.

    Reply
  6. Cel Pinheiro

    Em tempo!! Deveria acabar com os indultos! Tem preso que recebe indulto dos dias das mães e foi condenado por matar a própria mãe. E com relação a visitas intimas, sou contra totalmente.Tem preso que matou a própria companheira e quer visita íntima. Tenha paciência!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *